Carteira eletrônica

A carteira eletrônica, a evolução dos cartões-presente, oferece a possibilidade de transferir dinheiro para outras contas, sejam bancárias ou não, prometendo eliminar a necessidade de uma carteira antiga com dinheiro e cartões. Em geral, as soluções de pagamento móvel podem tirar proveito da tecnologia de radiofrequência, sem fio e Bluetooth para interagir com sites e outros aplicativos, bem como com dispositivos de ponto de venda.

A carteira eletrônica está lutando pela liderança de um mercado incipiente dividido por outros três concorrentes fortes: carteiras Blockchain, Digital e Mobile, dificultando a escolha dos usuários. Enquanto as carteiras B atraem a atenção dos fãs de moedas, pois estas podem coletar e trocar moedas criptográficas usando o blockchain como um dispositivo de segurança. As carteiras D, por sua vez, mantêm códigos de cartão de débito e crédito, permitindo a identificação de contas bancárias por radiofreqüência com uma pulseira sofisticada ou um relógio em vez do cartão antigo.

Por outro lado, as carteiras M prometem armazenar os dados de vários cartões em um ambiente criptografado móvel, fornecendo um código seguro e exclusivo para cada transação, o que significa que números reais nunca são armazenados ou exibidos. Segundo o Fórum Econômico Mundial (FEM), durante a crise dos coronavírus, os pagamentos digitais mantiveram as economias funcionando e ajudaram as pessoas a reduzir o contato com vírus. Em 2019, China e Índia foram os principais usuários mundiais da Internet e smartphones.

A China tinha (2019, em milhões):
• 854 usuários da Internet
• 851 usuários de smartphones

A Índia tinha (2019, em milhões):
• 560 usuários da Internet
• 346 usuários de smartphones

O governo chinês apoiou uma revolução tecnológica e aprovou a implementação de novas formas de transferência de dinheiro desde 1993. Os eventos mais marcantes dessa evolução das transações digitais não bancárias na China, de acordo com o FEM:

• A fundação chinesa do sistema de pagamentos online começou em 1993
• Em 2003, quando a SARS se espalhou, apenas 5,2% dos chineses tinham acesso à Internet
• China processou US $ 35 trilhões em pagamentos on-line não bancários em 2019

Em 2016, o governo indiano impôs uma lei para impulsionar o pagamento eletrônico, tirando 86% de sua moeda de circulação. Essa política do governo foi chamada desmonetização e forçou seus cidadãos a usar pagamentos on-line. A Índia também escolheu uma plataforma aberta que levaria as fintechs a adotar os pagamentos digitais. Essa interface de pagamentos unificados (UPI) é usada por várias instituições bancárias e estimula a concorrência interbancária.

Somente em dezembro de 2019, 1,3 bilhões de transações foram feitas por UPI na Índia, aproximadamente 10 vezes mais transações do que nos dois anos anteriores. Segundo o FEM à medida que a economia global se digitaliza rapidamente, estima-se que 70% do novo valor criado na próxima década será baseado em modelos de negócios digitais. A digitalização tem potencial para gerar, financeiramente, cerca de US $ 100 trilhões na próxima década para a indústria e a sociedade em geral.